domingo, 7 de abril de 2013

Lixo e Globalização

                            Paralelos entre a Geração do Lixo e a Globalização 
                                           GLOBALIZAÇÃO AMBIENTAL

    A globalização é o aumento do comércio e trocas de informação entre todos os países do mundo. Esse intercâmbio mundial é possível pela melhor rede de transportes e telecomunicações. 
      Muitos autores, escritores e estudiosos caem naquela mania de enxergar somente o lado ruim das coisas, sempre denunciando, descobrindo, sempre alertando para uma nova "teoria da conspiração". Sabemos que a Globalização é um processo de enraizamento e expansão do capitalismo no mundo. O motor disso tudo é a busca de lucro, a busca de novos mercados para os produtos industrializados  e novas tecnologias. 
  Após a Segunda Guerra Mundial a Globalização avançou muto  rápido, pois as redes de transportes se desenvolveram, mas a partir da década de 1980 é que o processo de Globalização foi turbinado pela rede de telecomunicações, até que a partir de 1990, as barreiras políticas para frear a Globalização, praticamente acabaram. A crise do socialismo facilitou a integração mundial, além do avanço das telecomunicações com os computadores e internet. 
    O progresso humano, no sentido do desenvolvimento tecnológico, floresce mais facilmente no sistema econômico capitalista, isso provado com o Fim da Guerra Fria, em que o capitalismo venceu, mas faltam  mecanismos de diminuição da desigualdade. O Brasil, com seus programas sociais foi um exemplo, ao mundo, que a distribuição dos lucros pode ampliar os mercados milagrosamente. Isso foi recentemente sinalizado pelo Presidente dos Estados Unidos, Obama, que discute a taxação de grandes fortunas. 
    O desenvolvimento do capitalismo, com a transnacionais, turbinou a globalização, pelo interesse em buscar novos mercados e descartar mais rápido os produtos. Já, o progresso social sob, o ponto de vista da organização e distribuição dos lucros a todos, é que precisa ser pensado. Mas, estamos avançando, somos capazes de resolver os problemas, bastando a "globalização ambiental" , onde cada ser humano toma consciência e abraça o mundo como sua casa. 
   Ontem eu fui consumir um pouco de lixo. Mesmo sendo capaz de usufruir de boa diversão, acabei indo consumir um pouco de lixo dos Estados Unidos. Não aquele lixo que empresas de países industrializados enviam para os mais pobres, se livrando de uma enorme carga de problema e deixando de gastar muito para dar o correto destino ao seu lixo. Não recebi nenhum conteiner de lixo importado ilegalmente de outro país. Não isso. Fui ao cinema e, fiz a escolha de assistir ao filme Invasão à Casa Branca. Acabei consumindo um pouco de lixo cultural globalizado.  Uma escolha que teve muita influência na carga de propaganda que recebemos da indústria cinematográfica americana. 
    Participamos da Globalização com satisfação, escrevendo textos na internet, lendo textos que outros escritores de qualquer país do mundo escrevem, até mesmo de Cuba, como a Yoani Sánchez. Compramos produtos e mercadorias importadas, por vezes das mais recentes tecnologias. Viajamos em aviões muito rápidos e modernos, que tornaram o mundo uma Aldeia Global. Um mundo sem obstáculos e distâncias. E compramos, e consumimos, e descartamos. Produzimos cada vez mais lixo, lixo sim. Agora sim, o lixo que suja, que polui o ambiente. Cada um de nós tem a sua responsabilidade. 
    Alguns poucos lutam contra isso. Lutar contra a Globalização é lutar contra o progresso humano. Alguns resistem. Formam suas tribos em sítios e vivem sem consumir, sob os princípios  da permacultura, por exemplo. Uns já nascem excluídos da Globalização, pois desde que nasceram, de pais muito humildes, não ainda conseguiram prosperar materialmente. Outros, se desapegam do mundo material e do conforto. Vão viver nas ruas. Um exemplo clássico é o Profeta Gentileza, que era rico e foi morar nas ruas da cidade do Rio de Janeiro como um Novo Messias. Deixou sua cultura inovadora e libertária nos muros dos viadutos, com o inesquecível bordão " Gentileza Gera Gentileza " . 
     O bordão a que aderimos globalmente é  : consumo gera lixo.  O lixo vem nos envolvendo. O lixo está sempre pertinho da gente. Até numa viagem de navio em alto mar você encontrará o lixo. No meio do Oceano Pacífico está o monumento da desorganização humana : o Lixão do Pacífico, com cerca de um milhão de quilômetros quadrados, segundo o que lemos, aqui mesmo na web. 
     Antes que eu enverede pelo pessimismo, antes de ser mais um a lançar uma nova teoria da conspiração, quero deixar claro que a Globalização é fantástica ! Poder conhecer culturas, trocar informações em tempo real, viajar, comprar, vender, participar da realidade e cotidiano de qualquer país do mundo (praticamente). Poder interagir com pessoas que desenvolvem projetos ambientais, que defendem causas humanitárias, poder saber a verdadeira realidade através  do relato de quem lá vive ! Isso é mágico ! Essa globalização é uma verdadeira revolução que permite participar da construção de um mundo melhor. Faltando apenas reciclar. Reciclar os fluxos de lucros concentrados das mãos de poucos (Ilhas Caimã, etc.) para aqueles que estão fora da Globalização. Reciclar o lixo que descartamos em quantidade, todo o dia. Reciclar a consciência mundial para entender que somos todos um, no final.  Desenvolver a Globalização Ambiental. Esse é o novo paradigma. Ampliar para todo o mundo a Globalização Ambiental. A reciclagem do lixo sendo feita em cada cantinho do mundo, significa a Globalização Ambiental. Levar qualidade de vida, saneamento básico, regulação dos recursos naturais, distribuição de renda, reciclagem do lixo = Globalização Ambiental !   

GEOGRAFIA Newton Almeida http://geografianewtonalmeida.blogspot.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça desse blog seu espaço para participação do desenvolvimento da geografia e conhecimento humano . Deixe um comentário !